Elos envolvem.
O revólver chama.
É saída.

Grades rodeiam.
A cadeia clama.
É morada.

Não há céu na escuridão,
não há chave na prisão.

O silêncio rege a noite sem fim.
Nem mais pergunto o que será de mim,
triste escravo de senhores vestidos de carmim.
 

Susana Vernieri