DE COMO LIDAR COM RIO

Represar um rio é impossível
O rio insulta a barragem.

Se sustém uma folha calma de lago,
amplia suas pernas de Heráclito.

Veloz, recortará efígies das escarpas
e nas curvas fará ondas de mar.

Mas se segue da nascente à foz,
na outra margem é que está a flor.

Não é pisando em peixes
que conseguiremos atravessá-lo.

Largo, pinguela nele não cabe,
ponte não nos dará conhecê-lo.

Não seria sábio auscultar
o diário vaivém dos pássaros?

Com os braços dar forma
ao nosso sonho de asas?

De dentro domá-lo para sempre
com um simples remo?

 

À MODELO-VIVO

quisera ser um pintor,
com o que ficavas aqui,
para sempre do meu lado.

porém nada sei de tintas,
não, sequer sou o escritor
capaz de fixar tua pele.

palavras não reproduzem
os óleos de tua vagina,
o que de grego nos seios

e na mente tu carregas:
contra a morte do tempo,
tua eternidade de rio.

 

ELEGIA DA CANTORA DE ÓPERA

Aquela voz perdera o filho na enchente,
não mais o veria brincar, enlutada
cantava a perda do que fora a semente

que uma noite subira-lhe a escada
das trompas até aninhar-se num ovo
cúpido, com o que se sentira dada

a prosseguir pelo mundo com um novo
alento; como quem traz do sol um raio
para que numa fresta lhe acenda o covo 

do olho após um pesadelo, esse gaio
filho a recuperou do que lhe ia a custo.
A escuridão se lhe iluminara em maio,

quinze, de um ano sem maiores sustos,
e agora se extinguia a luz no subterrâneo
da água, e ninguém lhe ergueria o busto. 

Cantava, que chorar lhe inundava o crânio,
que mais seco era o seu fim de chorar,
sem medo do modismo contemporâneo, 

do próprio gestus musical a destoar.

Sidnei Schneider reside em Porto Alegre (RS), é poeta, tradutor, contista e bacharelando em Letras/Inglês pela UFRGS. Autor de Plano de Navegação (Dahmer, 1999, poesia) e tradutor de Versos Singelos/José Martí (SBS, 1997). Participa da Antologia do Sul (Assembléia Legislativa-RS, 2001, poesia) e de outras seis publicações resultantes de concursos de conto e poesia. 1º lugar no Concurso de Contos Caio Fernando Abreu, UFRGS, 2003 e 1º lugar em poesia no Concurso Talentos, UFSM, 1995, de um total de dez premiações. Publicou artigos, poemas, contos e traduções em jornais e revistas.