UMA FILOSOFIA DA DOR
A sabedoria trágica no jovem Nietzsche

Felipe Szyszka Karasek é professor de Filosofia Moderna e Contemporânea, Doutorando e Mestre em Filosofia pela PUCRS, principais pesquisas a respeito da filosofia de Friedrich W. Nietzsche, Filosofia Social e Comunicação, Filosofia e Literatura, Estética e Filosofia das Artes, Filosofia e Educação.

O jovem Nietzsche se identificou fortemente com os versos do Hino à Vida, de Lou Salomé: “[...] e se deves me aniquilar, arrancar-me-ei dolorosamente a teus braços, como um amigo se arranca do peito do amigo”. Olhar no vórtice da extinção e extrair conhecimento do horror do nada: em Uma filosofia da dor, Felipe Szyszka Karasek conduz o leitor, como em um ritual mistérico de iniciação, dos clássicos helênicos aos clássicos alemães e além. (Re)conhecer na vida o que ela se esforça por esconder é a tarefa do filósofo trágico, e, nela, a dor e suas marcas na carne e na alma servirão de sinais. As ferramentas do iniciado serão a hybris – a audácia de arrebentar os limites humanos – e as suspeitas – todas elas: da ciência, da moral, do otimismo, suspeita de que a vida não seja, afinal, aquela explicada pela lógica binária e serenojovial com que a grande narrativa da filosofia ocidental sempre tentou e ainda tenta tecer seu véu de Maya. Neste livro, o leitor encontrará, em vez do Graal, uma episteme áspera e terrível, com a única resposta à altura do que a vida nos propõe: “Se não tens mais nenhuma felicidade para me presentear, que seja! Ainda tens tua dor [...]” (Lou Salomé).

Ronel Alberti da Rosa