A santa e o bêbado

- Deixaram a porta da igreja aberta! A velha catedral ainda guardava os segredos do século 17. É de se estranhar que tivessem deixado a porta aberta e as luzes ainda estavam apagadas. Exalava o cheiro das velas queimadas e das paredes pintadas a cal. Já se passaram séculos e ela, ali, mostrando toda sua impassibilidade diante o tempo. À frente da entrada observo a madeira entalhada da pesada porta. Ainda existem as marcas do formão de um grande mestre Toda sua estrutura eleva-se direcionando ao céu.

Alguns passos e vacilo sobre minhas pernas. Tomado pelo efeito do vinho medito se devo adentrar pela igreja. Vagarosamente, como num filme em câmara lenta, caminho em direção ao altar. Velas acesas.

O silêncio da catedral me faz voltar às recordações passadas. Lembro-me da infância e do amor que nunca chegou. Em algum lugar ela deve existir...

O Cristo parece sorrir da minha embriaguez, dos meus pensamentos. Os santos também...

Tento encontrar a escada que me leva até ao sino...toda igreja tem um sino...

Vejo uma porta e sinto que alguma coisa poderá ocorrer.

O silêncio é interrompido por um barulho de algo se deslocando. Alguma coisa se mexeu . Escuto um miado. Aproximo-me e identifico um corpo encolhido segurando um pequeno gato. Tento aproximar e ela se retrai . A presença da moça ofuscava-me a razão. Vejo o brilho dos olhos do gato e as pernas da moça (belas pernas! Por que será que a gente sempre olha primeiro as pernas?) .Observo seu semblante: olhos claros, cabelos intonsos, olhar de súplica . Cobre o seu corpo uma túnica azul e por cima um manto da mesma cor. Na mão esquerda traz um gato, na direita um livro, que , creio, deve ser um dicionário de latim. Pergunto quem era e me responde:

- Amantes, amentes (os amantes são doidos, ou seja, os que estão sob um sentimento muito forte não raciocinam corretamente). Contraria contrariis curantur (contrários com contrários se curam). Amor omnia vincit (o amor a tudo vence).

Iniciei um processo de elucubrações : Talvez fosse alguém que tivesse passado por um convento. Seu conhecimento de latim, a túnica azul, o manto, o lugar (a igreja) , sua timidez, todos estes elementos denotavam que deveria ter passado por um convento. Provavelmente se apaixonara . Seus encontros secretos levaram-na a um pesado castigo, que, por sua vez, a deixara ensandecida Seu mundo exterior se confundiria com o mundo interior e para se expressar o vazio ocupado pela decepção comunicava-se em latim. Quem sabe, talvez não fosse nada disso e ela fosse uma santa que se materializou? (mente de bêbado pensa cada coisa...) Ou, talvez, seja uma louca que achou um gato , um dicionário de latim e uma túnica azul. Vestiu a túnica, pegou o gato, abriu o dicionário e decorou algumas frases. Só.

Fiquei com a segunda hipótese: era uma santa.

Aos poucos pude observar que algo estava acontecendo: em breve tempo minha curiosidade se transformara em algo interior e isto mexia com a minha maneira de ser. A suavidade do seu triste olhar , o sorriso enigmático...A imagem que passava pela retina dos meus olhos ia diretamente ao meu cérebro e não conseguia pensar em nada Estava maravilhado. Pasmem: milagre! Eu estava amando uma santa. Quis tocá-la mas o gato defendeu-a. (sempre achei que gato tem alguma coisa com demônio) Sorriu, não sei se para mim ou da minha demência ( já não sabia quem era o louco: eu ou ela?)

Fiquei ali com meu olhar entorpecido e não percebi que as velas apagaram. De repente a santinha do gato transformou-se no nada. Na ausência de nome o substantivo comum virou substantivo próprio. A santinha do gato virou Santinha do Gato. Procurei por toda igreja. Pensei que talvez tivesse voltado à forma de imagem. Em vão, não a encontrei.

Amantes, amentes! Começo a ter sono e adormeço.

Ao acordar minha mente se confunde. Imagino se foi real ou sonho. Uma idéia fixa se concentra em um só ponto : nela – Santinha do Gato. Vou até ao altar e peço desculpas ao Homem da cruz. Ele continua me olhando... os santos também...

Retorno ao bar. Tento afogar no vinho o meu sentimento mas ele já está contido em mim . É tarde.

A minha santa era uma deusa (Minha metáfora sugere uma hipérbole, penso).Vários dias volto à catedral na esperança de encontrá-la.

Meses depois...

- Deixaram a porta da igreja aberta...

Meu coração dispara e lentamente vou caminhando, já imaginando quem iria encontrar.

Vejo-a sorrindo para mim. Na mão esquerda o gato. Deixa no chão o felino, caminha em minha direção e suavemente toca meus lábios. Pronuncia algumas frases em latim e chama-me por um nome que não era o meu. Não importo. Meus braços envolvem seu corpo. Ela me repulsa .

Digo-lhe:

- Não temais! (Fico pensando se com santo também usamos o verbo na segunda pessoa do plural, ou somente com Deus?). Uso metáforas e continuo minha fala:

- Disseram que o vinho é o sangue do Moço da Cruz e o pão o seu corpo. Estando meu corpo repleto de vinho também posso ser Deus. Ela jamais entenderia o absurdo da minha mentira. Eu sabia que todo grande amor começa com uma mentira. Talvez seu estado de imbecilidade não chegasse a tal ponto. Sentia vergonha da minha mentira.

Seu olfato se desperta aguçadamente. Sente o cheiro de vinho do meu corpo, olha para mim e sorri.

Cai a sua túnica. Uma energia toma conta de mim e ali mesmo o ato se realiza. Cor unum et anima una ( um só coração e uma só alma). Corpus et corpus ( corpo e corpo).

Antes que pudesse tomar consciência do meu pecado , observo ao redor e percebo que ela já não faz mais parte da cena. Sumiu.

Retorno ao bar e não consigo beber. Até meu vício me despreza. Já não bebo mais. Só consigo pensar na santa... O remorso toma conta de mim. Como desejaria amá-la....

Não era preciso estar morrendo para começar a amar a vida...

Passaram-se vinte e dois anos...

Tenho sede e entro no bar para solicitar água. Olho para mesa lateral e vejo alguns bêbados. Em pé uma figura chama a atenção: um rapaz com uma pouco mais de vinte anos, me faz lembrar Santinha do Gato. Novamente olho a mesa lateral e revejo os bêbados. São os meus ex-companheiros.

- Ei turma! Lembram-se de mim?

Festa geral.

- Desce mais uma garrafa de vinho! (todos cantando) “Boemia, aqui me tens de regresso...”

- Não! Não! Eu não bebo mais. Faz mais de vinte anos.

- Quem é o rapaz?

- Dizem que ele é filho de uma virgem irmã de caridade que ficou louca. Falam que seu nascimento foi um milagre. Não teve pai.

Dos meus olhos desce uma lágrima. Peço uma garrafa. Rapidamente encho o copo e levo até aos lábios. Ele olha para mim, faz um gesto e o vinho se transforma em água.


ROBERTO MÁRCIO PIMENTA é professor, pós-graduado em Letras. Tem vários contos premiados e participação em várias antologias. É mineiro, nascido em Belo Horizonte, residindo, atualmente, em frente ao mar de Jacaraípe-ES de onde tem tirado suas últimas inspirações. Dedica seu tempo integral à literatura e a roteiros de cinemas juntamente com cineasta Jeferson Lisboa.