Vazio

      A parede branca do quarto é um papel à espera de palavras ou traços. Ninguém ao redor para escrever ou desenhar e no entanto ela continua a pedir que lhe preencham o vazio. Apenas algumas sombras tênues e indefinidas são projetadas na parede fria. O branco permanece branco. Nenhuma cor, nenhum sentido. Um quadro sem imaginação, mudo.

      Só há silêncio no interior da casa inabitada, o silêncio mórbido das tardes que se repetem iguais. A parede é a tristeza dos que esperam na imobilidade um sinal de afeto. É a incomunicabilidade, a falta concreta, compacta. Vazio feito de tijolos e argamassa.Um universo sem movimento. 

      O tempo passa e o branco começa a amarelecer. Depois de algumas dezenas de anos, desaparece quase por completo. A parede envelheceu; mas ainda espera, em vão, por um simples traço, um rabisco que seja. 

      A casa abandonada é demolida. Da parede só restam tijolos quebrados, destroços sobre destroços. O branco agora é a poeira suspensa no ar, é o próprio tempo impregnando a cidade. Está livre de si mesma, já não há querer, apenas a serena essência daquilo que sempre foi. 

      O branco desaparece sem deixar qualquer vestígio. Leva uma parte daquilo que não conseguimos exprimir com palavras e se perde feito cinzas entre os dedos. 

RICARDO BORGES é jornalista, chargista e metido a escritor. Nasceu em São Luís-MA. Atualmente reside em Brasília. Editou vários fanzines nos anos 90, entre eles: Krise, Ócio do Ofício, Karne de Pescoço, Shakin'Streets, Xplod e Poeira. Colaborou no jornal Correio Braziliense (página Correio DO Braziliense) com charges e ilustrações. Desenhos de RB foram publicados em revistas independentes e coletâneas do Brasil, Portugal, Espanha e Bélgica.